Pesquisa
quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

Sindicatos e CES colaborarão para construir plano de segurança dos hospitais


O diretor geral da Fundação Hospitalar de Saúde (FHS), Hans Lobo, aceitou a participação dos sindicatos e do Conselho Estadual de Saúde (CES) para construir o cronograma específico para a elaboração e implantação dos planos de segurança tanto de pessoas como estrutural nas unidades gerenciadas pela FHS, medida que deverá ser feita num prazo de 15 dias para cumprir com a determinação do Ministério Público Estadual (MPE). O acordo de colaboração foi selado nesta terça-feira (24) durante uma reunião com o gestor da fundação, Sindicato dos Trabalhadores na Área da Saúde do Estado de Sergipe (Sintasa) e Sindicato dos Enfermeiros do Estado de Sergipe (Seese).

Algumas das sugestões que serão encaminhadas, através de um ofício ainda esta semana, são a melhora no serviço de triagem, diminuição da quantidade de acompanhantes dos pacientes e realocação dos seguranças da empresa terceirizada, neste caso, a SACEL para algumas áreas mais específicas, como a UTI, que é um setor mais privado. “O diretor da FHS falou na reunião que já teve uma conversa com a Polícia Militar para que haja um contingente maior nos hospitais, até mesmo utilizando os policiais da reserva para trabalhar nestas unidades. Espero que a gente consiga diante dos fatos que estão acontecendo reverter a situação, de imediato, porque há trabalho no hospital durante 24 horas”, declara Augusto Couto, presidente do Sintasa.

O Sintasa destacou ainda a importância dessa ajuda entre sindicatos e gestão pelo fato de que são os trabalhadores que estão vivendo o dia a dia nos hospitais e, por conta disso, sabem onde estão os pontos de entraves, principais nós, e que podem ajudar a gestão a melhorar este serviço dando uma qualidade de segurança para os pacientes e para o trabalhador.







Compartilhe:
Com.: 0
segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Sintasa consegue piso nacional dos agentes de São Cristóvão

A luta do Sindicato dos Trabalhadores na Área da Saúde do Estado de Sergipe (Sintasa), iniciada em outubro do ano passado, em prol do pagamento do piso nacional aos agentes comunitários de saúde (ACS) e agentes de combates às endemias (ACE) de São Cristóvão teve uma grande vitória este mês. É que a prefeita do município, Rivanda Batalha, sancionou a lei para pagamento do piso nacional, depois de ter sido aprovada na Câmara Municipal de Vereadores, para que desde 1º de janeiro deste ano, os agentes recebam o valor de R$ 1.014,00.

Desde junho de 2014, conforma Lei federal, o piso nacional dos agentes é de R$ 1.014, mas a Prefeitura de São Cristóvão pagava somente R$ 750,00, sendo que já vem a verba federal específica para o pagamento dos agentes. Agora, o sindicato negociará com a prefeitura para que seja pago o retroativo aos ACS e ACE.

“Foi uma vitória dos trabalhadores e do sindicato que não mediu esforços para que o piso nacional virasse realidade, uma vez que quando foi o momento de tentar negociar assim fizemos, mas quando foi o momento de fazermos greve, como em outubro do ano passado, passamos seis dias paralisados, até chamar atenção da gestão municipal. Depois de tantos esforços e paciência dos agentes, agora o piso nacional é lei municipal”, declara Augusto Couto, presidente do Sintasa.

Compartilhe:
Com.: 0
segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Servidores da Saúde receberão o salário do Governo no dia 27

Os primeiros a receber serão os servidores lotados na Secretaria de Estado da Educação, no dia 25, quarta-feira
 
O Governo do Estado anuncia o pagamento do funcionalismo público estadual para os dias 25, 26 e 27, referente ao mês de fevereiro. Os primeiros a receber serão os servidores lotados na Secretaria de Estado da Educação, no dia 25, quarta-feira.

Na quinta-feira, 26, recebem os servidores ligados às demais secretarias e órgãos estaduais. No dia seguinte, sexta-feira, 27, é a vez dos aposentados, pensionistas e servidores da Secretaria de Saúde, autarquias e empresas.

*Com informações da ASN

Compartilhe:
Com.: 0
segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

MPE dá prazo de 15 dias para a FHS apresentar plano de segurança

A Fundação Hospitalar de Saúde (FHS) não cumpriu com os compromissos preliminarmente firmados com o Ministério Público Estadual de Sergipe (MPE-SE) de fazer o levantamento situacional para elaboração dos planos de segurança dos hospitais, bem como a necessária revisão do contrato de prestação de serviço de segurança com empresa terceirizada para contemplar a segurança de pessoas e não apenas a patrimonial. A constatação foi feita pelos promotores de Justiça, Nilzir Soares Vieira e Antônio Forte de Souza Júnior, durante a audiência extrajudicial realizada, nesta segunda-feira (23), no miniauditório do MPE.

Houve a apuração ainda que a FHS não elaborou a implantação do projeto de segurança contra incêndio e pânico nas unidades hospitalares gerenciadas pela fundação, tema significativo uma vez que um sinistro pode ocorrer, como aconteceu nesse domingo (22), na Central de Logística (Celog/FHS), onde foram perdidos materiais e medicamentos, comprometendo a já deficiente assistência prestada aos pacientes do SUS.

Por conta disso, o MPE deu um prazo de 15 dias para a FHS ou a Secretaria de Estado da Saúde (SES) apresentar um cronograma específico para a elaboração e implantação dos planos de segurança tanto de pessoas como estrutural nas unidades gerenciadas pela FHS.

Durante a audiência, o presidente do Sindicato dos Trabalhadores na Área da Saúde do Estado de Sergipe (Sintasa), Augusto Couto, denunciou que só existem dois policiais militares nos contêineres do Hospital de Urgência de Sergipe (HUSE), solicitando, portanto, o aumento quantitativo. E também reclamou que nos hospitais do interior não existe ronda policial para inibir a ação dos vândalos. “O sentimento dos servidores que trabalham nos hospitais é de total insegurança, visto que a empresa terceirizada que presta serviço à FHS dá segurança apenas patrimonial e não incluem as pessoas”, reclama Augusto, adiantando que nesta terça-feira (24), haverá uma reunião com a gestão da FHS para tentar adiantar uma solução para este problema.

Participaram da audiência, além do promotor Nilzir Soares Vieira, diretor do Centro de Apoio Operacional dos Direitos à Saúde; o promotor Antônio Forte de Souza Júnior, da 9ª Promotoria de Defesa dos Direitos do Cidadão, especializada na Defesa dos Direitos à Saúde; e representantes do Sintasa, Seese, FHS e SES, representantes dos trabalhadores do HUSE, do COREN, e do Sindicato Samu 192. A Secretaria de Segurança Pública e a Polícia Militar não levou nenhum representante, apesar das notificações da Justiça.



Compartilhe:
Com.: 0
quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

Sintasa discute sobre segurança nos hospitais na SSP e MPE


O presidente do Sindicato dos Trabalhadores na Área da Saúde do Estado de Sergipe (Sintasa), Augusto Couto, irá participar de uma audiência no Ministério Público do Estado na próxima segunda-feira (23) para discutir sobre o problema de segurança nos hospitais, sobretudo, no Hospital de Urgência de Sergipe (HUSE). Esta audiência faz parte de uma série de ações que o sindicato vem realizando para tentar chamar a atenção do poder público sobre o assunto, como a visita realizada pelo presidente da entidade e o gerente do sindicato, Janderson Alves, ao secretário da Segurança Pública, Mendonça Prado, na última sexta-feira (13), na sede da SSP.

“Nós estamos preocupados com o índice de assalto no HUSE. Já houve assalto na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) cirúrgica. Os servidores estão apreensivos com esta situação. E querem de imediato uma solução para isso”, disse Augusto Couto, informando que o efetivo no Hospital de Urgência é de apenas dois policiais, quando precisaria de, pelo menos, mais outros dois, visto que são cerca de 3.500 servidores trabalhando naquele hospital.

Outro ponto significativo discutido com o secretário de segurança é a ronda mais intensa nas unidades para trazer uma sensação de segurança maior e intimidar os vândalos. “Os servidores estão sendo assaltados dentro e fora dos hospitais, principalmente, nos horários de troca de turno”, afirma Augusto Couto, acrescentando que quanto maior for a segurança, melhor será o atendimento aos usuários. “Trabalhar com medo dos vândalos acaba atrapalhando os servidores”.

O líder sindical reforçou sobre a audiência no MPE, no dia 23, que terá também a participação da SSP e da Polícia Militar. “Com esta reunião, esperamos construir um grupo para que se tenha mais segurança nas unidades de Saúde”, destacou Augusto Couto.



Compartilhe:
Com.: 0
sexta-feira, 13 de fevereiro de 2015

Agentes de São Cristóvão vão esperar até o final do mês para decidir por Greve


Os agentes comunitários de saúde (ACS) e agentes de combates às endemias (ACE) de São Cristóvão decidiram esperar a promessa da prefeitura municipal de que faria em fevereiro o pagamento do piso nacional e também o retroativo a janeiro, conforme era para ter feito de acordo com acordo com o Sindicato dos Trabalhadores na Área da Saúde de Sergipe (Sintasa) no ano passado. A decisão foi tomada durante a assembleia com a categoria e o sindicato nessa quinta-feira (13). Caso não haja o pagamento correto, no outro dia, os agentes irão fazer uma greve por tempo indeterminado.

“Resolver dar mais uma oportunidade ao gestor municipal para se redimir, já que reconheceu que errou, mas que iria consertar o erro. Então, vamos esperar até o final do mês para ver quando os agentes receberão de salário”, disse Augusto Couto, presidente do Sintasa, acrescentando que em março haverá uma reunião com a prefeitura para acertar o parcelamento do retroativo ao mês julho do ano passado.

Desde junho de 2014, conforma Lei federal, o piso nacional dos agentes é de R$ 1.014, mas a Prefeitura de São Cristóvão pagava somente R$ 750,00. Venha uma verba federal específica para o pagamento dos agentes, mas a prefeitura não fez o repasse correto.

Compartilhe:
Com.: 0
terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

N. Sra. da Glória: FHS não cumpre com acordo no MPT

(Clique AQUI para ampliar a imagem)

Depois de fazer uma fiscalização no Hospital Regional Governador João Alves Filho, em Nossa Senhora da Glória, nesta terça-feira (10), a direção do Sindicato dos Trabalhadores na Área da Saúde de Sergipe (Sintasa) constatou que a Fundação Hospitalar de Saúde (FHS) não cumpriu com o acordo feito no Ministério Público do Trabalho (MPT) em tampar a fossa aberta há anos na localidade.

“Este não é um problema novo, mas há anos vem se arrastando e o poder público não vem fazendo nada. Agora está pior porque havia um acordo no MPT de que num prazo de 30 dias a FHS tampasse a fosse, mas o prazo acabou e nada foi feito”, reclama Augusto Couto, presidente do Sintasa.

O sindicato fez um relatório e anexo as fotos para ser entregue no MPT provando o descumprimento da fundação. “Essa fossa é um perigo para qualquer cidadão e também para os pacientes que estão no hospital que podem ser infectados com tudo de ruim que esteja alojada na fossa”, diz Augusto Couto.

Além do problema da fossa, foi discutido sobre a questão da carga horário de trabalho dos servidores. Como o assunto é profundo, foi marcada uma assembleia com o gestor do hospital e os servidores no dia 24 de fevereiro, às 9 horas, para debater mais sobre esse tema.

A direção do Sintasa visitou o Hospital Regional acompanhada de um dos advogados do sindicato, Adalicio Morbeck, que sanou algumas dúvidas dos servidores.


Compartilhe:
Com.: 0
terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

Direitos trabalhistas não são cumpridos em Feira Nova


A direção do Sindicato dos Trabalhadores na Área da Saúde do Estado de Sergipe (Sintasa) constatou durante visitas nesta terça-feira (10) irregularidades trabalhistas com servidores da Clínica de Saúde da Família Maria Rosa Leite dos Santos, em Feira Nova. Os servidores estão recebendo o pagamento das férias com um atraso de um ano. Quem tirou férias em 2013 recebeu em 2014, e quem tirou no ano passado ainda não recebeu este ano. Na Clínica, falta ainda medicamentos e os aparelhos de esterilização não funcionam há um ano.

O Sintasa apurou que há perseguição política para os trabalhadores que tem opção partidária contrária ao prefeito Jonas. Há servidora que foi transferida de setor sem receber a mínima explicação para a mudança. E outro fato foi a mudança de horário de trabalho, que antes era 1 por 2, ou seja, 12horas trabalhada e folga de dois dias, mas agora passou a ser trabalho diário, com seis horas, prejudicando assim quem tem outro vínculo de trabalho.

Por sua vez, os agentes comunitários de Saúde reclamam que não estão recebendo o Piso Nacional, cuja verba é federal e vem direto para os municípios, no contracheque, mas o valor está entrando como gratificação e não como salário. Já os agentes de controle de endemias sofrem mais porque trabalham há mais de 10 anos na função, mas muitos desempenhavam outras funções como telefonistas. Com isso, não recebem nem o Piso Nacional, mas um salário mínimo e insalubridade. Era para a Câmara Municipal de Feira Nova fazer o ajuste jurídico para que estes agentes recebessem de acordo com a função que exercem, mas até o momento, segundo os servidores, não existe vontade política para isso.

Há reclamação ainda da falta de informação em relação à destinação da verba recebida pela gestão para o Programa de Melhoria do Acesso e da Qualidade na Atenção Básica (PMAQ). Uma servidora relatou que foi recebido no ano passado R$ 80 mil para o PMAQ, mas que não sabe em quem foi utilizada esta verba.

Compartilhe:
Com.: 0
terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

Sintasa dá esclarecimentos aos servidores da Funesa


Por conta dos problemas ocorridos na Fundação Hospitalar de Saúde (FHS), que seria extinta, e da possibilidade da mesma ameaça na Fundação Estadual de Saúde (Funesa), a direção do Sindicato dos Trabalhadores na Área da Saúde do Estado de Sergipe (Sintasa) realizou uma assembleia com servidores daquela instituição nessa segunda-feira (9), na sede do sindicato.

De acordo com o presidente do Sintasa, Augusto Couto, foi um momento importante de dirimir as dúvidas daqueles profissionais de Saúde. “Percebemos que eles estão com medo e aflitos em relação à extinção da Funesa, mas pudemos tranquiliza-los, mostrando que estamos atentos e fazendo algumas ações na Justiça para que os direitos desses trabalhadores sejam preservados”, explicou Augusto Couto.





Compartilhe:
Com.: 0
sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

Números dos processos do Sintasa na Justiça

> Aposentadoria especial: 2013124898

> Caso Transurh: 0000628.2012.20.000/9-10

> Deslocamento do trabalhador: 0001900-81.5.20.0001

> Férias atrasadas (FHS): 0001887-61.2013.5.20.0008

> Vereador de Estância: 201350100970

> Obraserv 1: 0000231-32.2014.5.20.0009

> Obraserv 2: 0000381-19.2014.5.20.0007

> Reajuste salarial: 201400102382

> Acordo Coletivo (FHS): 0001362-82.2013.5.20.0007

> Japaratuba: 0001055-53.2012.5.20.0011

> Incorporação dos 25% do PER (FHS): 0000381-22.2014.5.20.0006

> Sindhose: 001498.2013.20.000/8

> Isonomia (FHS): 0000376-03.2014.5.20.0005


Compartilhe:
Com.: 0
sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

Acordos coletivos e Convenções Coletivas de Trabalho

> Convenção Coletiva de Trabalho 2013 a 2015 com o Sindicato dos Hospitais e Clínicas do Estado de Sergipe (Sindhose)
http://www.sintasa.com.br/sintasa/downloads.aspx?id=90&ext=PDF

> Acordo Coletivo do Trabalho 2013 a 2015 com a Funesa

http://www.sintasa.com.br/sintasa/downloads.aspx?id=80&ext=PDF

> Acordo Coletivo do Trabalho 2013 a 2015 com a Funesa
http://www.sintasa.com.br/sintasa/downloads.aspx?id=88&ext=PDF

> Acordo Coletivo de Trabalho 2013 e 2015 com a Fundação Parreiras Horta
http://www.sintasa.com.br/sintasa/downloads.aspx?id=68&ext=PDF

> Registro do Acordo Coletivo de Trabalho 2013 e 2015 com a Fundação Parreiras Horta
http://www.sintasa.com.br/sintasa/downloads.aspx?id=67&ext=PDF

> Acordo Coletivo do Trabalho de 2013 e 2014 com o Instituto do Sono

http://www.sintasa.com.br/sintasa/downloads.aspx?id=91&ext=PDF

> Acordo Coletivo de Trabalho 2013 e 2014 com a Fundação Parreiras Horta

http://www.sintasa.com.br/sintasa/downloads.aspx?id=58&ext=DOCX

> Convenção Coletiva de Trabalho 2011 a 2013 com o Sindicato dos Hospitais e Clínicas do Estado de Sergipe (Sindhose)

http://www.sintasa.com.br/sintasa/downloads.aspx?id=54&ext=PDF

> Convenção Coletiva de Trabalho 2011 a 2013 com o Sindicato dos Hospitais e Clínicas do Estado de Sergipe (Sindhose)
http://www.sintasa.com.br/sintasa/downloads.aspx?id=26&ext=DOCX

> Acordo Coletivo de Trabalho com a Fundação Parreiras Horta 2011 e 2012
http://www.sintasa.com.br/sintasa/downloads.aspx?id=33&ext=PDF

> Acordo Coletivo de Trabalho com a Fundação Hospitalar de Saúde 2011 e 2012
http://www.sintasa.com.br/sintasa/downloads.aspx?id=23&ext=PDF

> Acordo Coletivo de Trabalho com o Hospital dos Olhos 2011 e 2012

http://www.sintasa.com.br/sintasa/downloads.aspx?id=8&ext=DOCX

> Protocolo de Relações de Trabalho 2010 e 2011 com a Funesa

http://www.sintasa.com.br/sintasa/downloads.aspx?id=34&ext=PDF

> Convenção Coletiva do Trabalho 2003-2005
http://www.sintasa.com.br/sintasa/downloads.aspx?id=21&ext=PDF


Compartilhe:
Com.: 0
1 2 3 4 5 6 » Próxima » Última